segunda-feira, 16 de junho de 2014

Poema sobre o filme: A Culpa é das estrelas.


A vida é um sopro
Um tanto quanto dolorido
Um tanto quanto inesquecível
É a arte de amar, buscar e encontrar

Ao mesmo tempo se perder
Sentir, esquecer e sobreviver
Tocar o céu alcançando as estrelas
Experimentar o sabor do mel, vencendo as fraquezas

Perceber que em determinados momentos
O tempo passa e ao mesmo tempo para
Instantes vividos jamais esquecidos
Às vezes com alegria, às vezes com dor

A dor que precisa ser vivida
Mas, ao mesmo tempo rompida
Para abrir espaços e deixar entrar o amor
Pois, um belo dia se morre

E o que fica são as marcas
Que você plantou
No coração e na alma
Da vida de cada um que você passou.



3 comentários: